domingo, 14 de setembro de 2008

Itália - Results & Coments [7]

Estrela de campeão

Foi absolutamente fantástico. O feito de Vettel, hoje em Monza, é um daqueles que tão cedo não será esquecido. A vitória o alemão foi madura, segura e muito festejada, não só por ele, mas todos no grid. Foi bonito ver Alonso fazendo questão de saudar o novo vencedor, numa atitude de reconhecimento do talento precoce que surge na F-1. Lugares-comum à parte, é histórico!

Vettel derrubou marcas com a conquista hoje em Monza. Foi sua primeira vitória, também a primeira da Toro Rosso, que, curiosamente, atinge o êxito antes da sua “matriz”, a Red Bull. Vettel se torna, aos 21 anos, 2 meses e 11 dias, o mais jovem piloto a vencer um grande prêmio e o primeiro alemão a vencer uma corrida desde Michael Schumacher, no GP China em 2006, há quase dois anos atrás. E falando em Schumacher...

No pódio, o alemão demonstrava nervosismo. O significado do pódio, aliás, foi especial. Vettel, Kovalainen (meio cavalo paraguaio, mas tudo bem) e Kubica são os novos vencedores de 2008, os pilotos que estrearam no hall dos vencedores de corrida nesse ano. Mas, voltando a falar de Vettel, o alemão me fez lembrar muito de Schumacher hoje. No momento da festa do pódio, me toquei que ouviríamos, depois de tanto tempo, o hino alemão seguido pelo hino italiano. A ligação com o nome do heptacampeão foi imediata. Talvez por isso, Vettel já esteja sendo chamado de “O Novo Schumacher.”


Mas, vamos começar do começo (sim, a redundância é proposital):

Sebastian fez uma corrida irrepreensível. Foi perfeito, sem dar chances a Kovalainen (me lembrei da primeira vitória do Kova em Hungaroring e me espantei com a diferença entre as duas. Enquanto o triunfo de Vettel foi emocionante, daqueles realmente memoráveis, o de Heikki foi sem graça, sem brilho, mas isso não tem a ver com a postagem). Foi maduro, rápido, consistente, administrando as eventuais desvantagens técnicas de sua STR. Não foi ameaçado por ninguém, nem no molhado, nem no seco. Demonstrou imenso controle sobre o carro e sobre sí mesmo, pois para um moleque jovem como Vettel é muito fácil cair na armadilha de passar do limite, em especial com a pista molhada. Vettel, porém, ignorou todas essas possíveis chances de erro, e venceu o GP Itália de forma espetacular.

Kovalainen não foi páreo para o menino-prodígio. O curioso é que se Kova rendesse como Hamilton, possivelmente ganharia a corrida. Ok, ok, Hamilton pôde alterar a configuração de sua McLaren, enquanto Kovalainen não teve essa chance. Mas o finlandês não consegue extrair um rendimento sequer parecido com o Lewis. Vai ver é a desregulagem naquela peça entre o cockpit e o volante.

_

Kubica voltou ao pódio que começou a revelá-lo em 2006, no mesmo terceiro lugar. É uma excelente posição, numa corrida em que ele largou em 11º. Kubica foi muito mais eficiente que Massa, por exemplo, que chegou na mesma posição em que largou. E, de quebra, o polonês conseguiu chegar à frente de Heidfeld, mesmo largando em pior posição.

Alonso beliscou o pódio, de novo. O bicampeão, anotem, corre o risco de passar o ano inteiro sem visitar a festa do champagne.

Completando a pontuação, Mark Webber faz a RBR corar. Enquanto a filial largou na pole e venceu, a matriz largou com chances de pódio e terminou a prova com apenas 1 pontinho.

Esse GP Itália prova, por fim, que Vettel é mesmo o nome do futuro. Já havia falado isso ontem e o rendimento do alemão hoje só confirma minhas palavras. Assistindo à cerimônia da premiação, confesso que fiquei emocionado ao ver o garoto, no auge de seus 21 anos, recebendo a atenção da torcida italiana. Afinal, venceu um carro italiano e de motor Ferrari. A vitória de Vettel parece ter escolhido um lugar especial para acontecer: Monza, com chuva, saudado pela grande torcida que invade a pista, tradicionalmente. Possuir essa estrela, é típico dos campeões.


2 comentários:

Saraiva disse...

"Vai ver é a desregulagem naquela peça entre o cockpit e o volante." - LOL

Então, Acho que a 'filial' seria mais negócio para o Vettel em 2008. Ele já passou o Webber, e a Toro Rosso já passou a Red Bull no mundial de construtores (e está rumo à 5° ou 4° posição).

Se ele já não tivesse de contrato feito com a Red Bull, seria um ótimo nome para pilotar a mclaren no próximo ano.

Fábio Andrade disse...

Saraiva, também andei pensando nisso de ontem pra hoje. Não sei se a RBR é mesmo superior à STR. Ando achando que os motores Ferrari estão fazendo muita diferença, além do aparato técnico da Toro.