domingo, 12 de outubro de 2008

Sessão-Coruja/Japão - Results & Coments [3]

Virada francesa, zebra polonesa

E quem diria que Dom Alonso das Astúrias iria emendar duas vitórias seguidas, hein? O espanhol venceu sua segunda nesse ano, no melhor estilo das vitórias nos anos do bicampeonato e em 2007 na McLaren. É bom sublinhar que a sorte esteve do lado do espanhol nas duas últimas corridas, mas Alonso fez por merecer os êxitos conquistados até aqui. Foi sua vitória de número 21, que o isola como o 11º maior vencedor da história da F-1.

Na corrida, Alonso foi beneficiado pela largada desastrosa dos líderes. Sem Hamilton, Raikkonen e Kovalainen a sua frente, o espanhol encontrou em Kubica seu grande oponente no gp japonês. O polonês da BMW liderou a prova e deu pinta de ter carro pra vencer, mas do meio para o fim notou-se que o bólido alemão não se adaptou ao traçado de Monte Fuji. Numa conversa de rádio Kubica deixou claro que o acerto do carro não era o ideal e reclamou que o carro saía de frente. Parou cedo, permitiu a passagem de Alonso e o espanhol não se fez de rogado: acelerou o quanto pôde e ganhou com certa sobra.

As duas vitórias seguidas de Alonso sugerem uma real evolução do carro da Renault. Já havia dito antes e repito: pode ser o empurrão que faltava para o espanhol decidir seu futuro em 2009, e continuar na equipe francesa. O modelo da montadora já se mostra capaz de brigar com a BMW em determinadas condições, como se viu hoje. Olhando com um pouco de otimismo, um cenário promissor se desenha para 2009.

A grande ironia do resultado da corrida se monta ao olharmos o resultado do GP Japão do ano passado: há um ano atrás, Alonso saía de Monte Fuji desiludido com um abandono que lhe custava o título. O espanhol bateu sozinho, perdeu o controle de sua McLaren na encharcada pista de Fuji, e deixou Hamilton na confortável liderança do campeonato, com 12 pontos de vantagem. Esse ano, acontece o contrário: Hamilton fez besteira logo na largada, foi punido, e passou longe de pontuar. Enquanto isso, Alonso pilotou como Alonso e levou o GP Japão com relativa tranqülidade.

Eu ontem havia salientado: Alonso pode se meter na briga do campeonato, mesmo sem estar com chances de título. Esperava-se que o espanhol pudesse oferecer alguma resistência a Massa (mesmo que isso implicasse numa supremacia do arquirival e desafeto de Alonso, Lewis Hamilton). Mas a largada foi tão confusa que o asturiano nem precisou oferecer problemas a Massa: o brasileiro tratou de se enrolar por conta própria.

O bom momento da Renault refletiu também a corrida de Piquetzinho. O filho de tricampeão fez uma ótima corrida de recuperação depois de ter um problema na classificação ontem e largar em 12º. Nelsinho rompeu a meta em 4º, a um passo de um inédito pódio com os dois pilotos da Renault (em 2008). É uma pena que esse bom resultado tenha chegado logo agora que já se fala em dispensa do brasileiro depois do ano medíocre que tem feito até aqui, no geral.

Os 15 pontos conquistados hoje confirmam a tese de Alonso: a Renault volta a ser a 4ª equipe do ano na tabela de construtores, e com folga. Suplantaram de vez a Toyota, discreta em sua corrida doméstica.

Kubica apavorou na largada mas não teve ritmo para acompanhar Alonso e esse é o sinal inequívoco da melhora na qualidade do carro da Renault. A BMW é a terceira força do campeonato mas o modelo francês mostrou-se competitivo contra o monoposto alemão, que é pilotado por um dos pilotos reconhecidos como de maior talento no grid. A largada do polonês foi um tiro impressionante: enquanto todo mundo se enroscava na primeira curva, Kubica passava alegremente, quase dando um tchauzinho para os afoitos líderes do campeonato. Nas 15 voltas finais o polonês ainda teve de segurar o sonolento Raikkonen, que criou uma ou duas chances perigosas de ultrapassagem, mas não as concretizou. Com o segundo lugar de hoje, Kubica figura como um azarão típico: não tem o melhor equipamento, mas é oportunista e está sempre à espreita, pronto a ocupar uma vaga deixada pelos erros das equipes grandes. O polonês passa a ameaçar a vice-lidernaça de Massa e, contando com mais falhas dos dois pilotos que efetivamente brigam pelo campeonato, é uma potencial zebra. Acha impossível? Raikkonen também era zebra até o GP Brasil ano passado.

3 comentários:

sérgio disse...

Alonso deu show de pilotagem. A estratégia da equipe foi boa, mas a pilotagem rápida dele foi essencial.

Levar um carro médio como a Renault ao 1º lugar é um grande feito. Só mesmo um piloto como Alonso.

Paulo Maeda™ disse...

vamos lah, realmente a Renault está reencontrando seu caminho. A estratégia foi perfeita, msm com a ajuda da BMW (foi meio hilário ouvir o Kubica reclamando de seu carro com o fortíssimo sotaque polonês).
Boa prova do Nelsinho também. Mas ele deveria ter tido a msm sorte em outras provas.

Fábio Andrade disse...

Sérgio: Alonso deu sorte, mas foi competente quando precisou. Mereceu!

Paulo: não havia reparado no sotaque do Kubica. Geralmente fico ouvindo o Alonso falando e já reparei que o inglês dele não é lá uma jóia, rs!

Nelsinho continua na corda bamba e acho muito difícil ele reverter o quadro em três corridas. Creio que vai ser degolado no fim do ano.