sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Mundo-Cão

Faço uma passagem rápida e atípica neste meio de tarde para deixar algumas impressões sobre a confusão envolvendo um suposto diálogo entre a direção da Ferrari e Rubens Barrichello no GP Áustria-2002.

Vamos aos fatos: o tal diálogo está transcrito no livro Histórias, Lendas, Mistérios e Loucuras da F-1, do consagrado jornalista Lemyr Martins. O cara é um dos grandes monstros do jornalismo esportivo no Brasil, considerado um oráculo do automobilismo. O negócio é que, em seu livro, o diálogo em que a mãe de Rubinho é (sempre supostamente) ameaçada de tortura para que brasileiro deixe Schumacher vencer é considerado real. A conversa, esdrúxula ao extremo, acabou ganhando um "peso" especial por estar num livro de um profissional tão conceituado como Martins, e foi parar no site do jornal Lance!.

Desde hoje pela manhã que acompanho o desenrolar da história no Blog do Capelli. E foi lá mesmo que a história foi elucidada. A suposta conversa de Barrichello (que seria pressionado a dar passagem a Schumacher sob pena de ter a mãe torturada e de perder sua cadelinha de estimação) com a equipe é, de cara, muito difícil de se engolir. Pensei em falar sobre isso a noite, quando voltasse do cursinho, mas aí me lembrei de um detalhe.

A conversa é tão inverossímil que caiu em um tópico de uma comunidade sobre F-1 no site de relacionamentos Orkut no início desse mês. E lá mesmo os próprios membros duvidaram da veracidade do texto, fazendo piada com um diálogo tão impossível. Como está esclarecido no Capelli, a mãe de Barrichello sequer estava na Áustria naquele domingo das mães, portanto, não poderia estar acompanhando a corrida com o pessoal da Ferrari.

O texto ainda possui outros absurdos, como a citação de um tal procurador da Ferrari que jamais existiu.

Uma baboseira, portanto, não levada a sério nem pelos membros do Orkut, que (em sua maioria) adoram uma cornetada.

4 comentários:

Felipão disse...

o Lemyr pisou na bola com tudo isso,,,

Marcos Antônio Filho disse...

Crer em uma história cabeluda dessa,é impossível.Acho que o Lemyr quis fazer barulho para a publicação do seu livro.E conseguiu,com uma mentira,mas conseguiu.

Alexandre Carvalho disse...

Não se engane. O Lemyr não é esse monstro sagrado do jornalismo esportivo que as pessoas pintam. Basta ler os textos deles, cheios de erros e imprecisões, para chegar a essa conclusão.

Fábio Andrade disse...

Felipão: infelizmente, eu diria. Não sei se é precipitado julgar toda a carreira dele por esse fato isolado, mas com certeza que isso será uma mancha na vida profissional do Lemyr;

Marcos: será que foi apenas "marketing"? Não se um profissional do porte do Lemyr precisava disso para aparecer;

Alexandre: estive lendo algumas histórias a respeito dessas imprecisões em outros blogs. Dizem que o Martins comete equívocos com certa freqüência. Não sabia dessa "face" escondida pelo rótulo de "grande jornalista". Não sei se devo confiar mais nos textos assinados por ele nas edições especiais de 4 Rodas que tenho aqui em casa;

É lamentável, senhores.

Obrigado a todos pela visita!