quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A mesma praça, outro jardim: Brasil 2007

A corrida do ano passado em Interlagos já foi debatida e esmiuçada ao extremo. Reservo-me, então, ao direito de ficar calado e deixar que o ídolo (ó, ironia!) Galvão Bueno diga tudo o que é necessário:



“Onde você vaaaaaaaai, Hamiltoooon?”

Apenas para constar, as diversas situações em que o campeonato se encontrou durante a corrida, do ponto de vista de Hamilton:

Antes do início da corrida:

L. Hamilton – 107
F. Alonso – 103
K. Raikkonen – 100

Hamilton, portanto, precisava de um 2º lugar para ser campeão sem depender dos resultados alheios. Nessas condições, o inglês iria a 115 pontos, ficando a frente de Raikkonen e Alonso, mesmo que um desses últimos vencesse.

O 3º lugar serviria para o inglês, se Alonso não vencesse. Caso isso acontecesse, a dupla da McLaren empataria em 113 pontos, porém o espanhol teria uma vitória a mais e seria tricampeão.

Entre a largada e a Curva do Lago:

L. Hamilton – 112
F. Alonso – 109
K. Raikkonen – 108

Assim estava o campeonato nos primeiros segundos do GP Brasil. Hamilton em 4º era campeão naquele momento. Não precisava disputar posição com Alonso na freada do Lago. Hamilton estava confortável naquele posto, mesmo que Massa cedesse a liderança a Raikkonen. Nesse caso o finlandês iria, no máximo, a 110. Alonso, em 3º, estava longe de incomodar.

Depois dos dois erros de Hamilton:

F. Alonso – 109
K. Raikkonen – 108
L. Hamilton – 107

Depois das duas patacoadas de Hamilton, Alonso era o virtual campeão da temporada 2007. Mas, claro, a Ferrari preparava a festa na surdina, com a inversão de posições entre Massa e Raikkonen. Hamilton conseguia perder o título, inacreditavelmente.

Depois do jogo de equipe ferrarista:

K. Raikkonen – 110
L. Hamilton – 109
F. Alonso – 109

Com Raikkonen em 1º, Hamilton precisava chegar aos 111 pontos obrigatoriamente, ou seja, cruzar a meta pelo menos em 5º. Se os dois empatassem, o finlandês seria campeão nos critérios de desempate, com vitórias a mais. Os erros do início da corrida, no entanto, cobraram a conta: Hamilton terminou em 7º e entregou o campeonato a Kimi Raikkonen.

5 comentários:

Felipão disse...

Boa Fabião...

e quase que o Alonso leva o número 1 pra Renault...

Aliás, mesmo perdendo o título, notava-s e uma certa felicidade em seu rosot..

Diego Maulana disse...

Muito boa a análise, curva a curva Fábio. O Hamilton perdeu o título do ano passado porque quis chegar na frente do Alonso e por isso errou. Esse ano não deverá acontecer o mesmo.

Grid GP disse...

Esse é o xará! Um post original e diferente de toda a maioria. Interessante a descrição de uma das corridas mais marcantes dos últimos anos... Eu também sou desses que gostam de analisar como fica o campeonato a cada momento de uma corrida.

E, sem dúvida, foi uma das grandes viradas da história da Fórmula 1.

Xará, seu comentário do podcast foi o melhor que já li. Saiba que conversei com o Maciel, e serviu de grande motivação para continuarmos.

Parabéns, se todos comentassem daquele jeito, seria fantástico!

Abraço ao parceiro!

Fábio Campos

Paulo Maeda™ disse...

e ae grande irmão.

Olha só recebendo elogios do Fábio Campos, tah ficando importante em Fábio... hehe

muito boa a idéia do seu post, realmente, nao vi nada parecido até agora na cobertura da F1, parabéns.!

Fábio Andrade disse...

Felipão: a cena do Alonso ensaiando um sorriso no pódio é emblemática. "Eu não ganhei, mas o moleque tmb não" - devia ser o pensamento dele, depois de tudo o que aconteceu;

Diego: o que falou alto naquele momento foi o impulso do Hamilton em querer decidir tudo na 1ª volta. E pelo o que a gente viu em Fuji, esse ímpeto continua vivo;

Xará: Obrigadíssimo. Já disse 1 milhão de vezes, mas sempre é bom reforçar: ter figuras como você (se estende a todos os parceiros de divulgação e aos que comentam aqui regularmente) por aqui é motivo de orgulho constante. Amacia o ego? Claro. Mas a satisfação mesmo é saber que o trabalho está sendo adimirado por quem já está nessa a mais tempo.

O comentário lá no podcast saiu porque senti que valia a pena e também porque sei o quanto que significa ver alguém dando atenção ao que a gente faz. Os comentários são o grande incentivo para continuarmos, afinal. Quem escreve quer ser lido, essa é a verdade.

Maeda: quê isso... "sou só um brasileirinho", hahaha!;

Pessoal, valeu demais pela visita. E desse jeito eu vou acabar acreditando no que vocês dizem...