terça-feira, 28 de outubro de 2008

Único e Solitário

A FIA, presidida por Max Mosley, não parece estar brincando ao sugerir a unificação dos motores a partir do ano que vem. "Visando a redução dos custos da atual F-1" a federação defende o motor único como uma das soluções para contornar os altos custos da categoria nesse cenário de crise econômica. Semana passada a Toyota já ensaiou um protesto. Hoje foi a vez da Ferrari.

Sobre a proposta de unificação dos motores, a fábrica italiana divulgou uma nota. No comunicado, a Ferrari deixa claro que possui "fortes restrições quanto ao projeto de uniformizar ou padronizar os motores" e chega a afirmar que se reserva ao direito de reconsiderar a continuidade da equipe na F-1.

E aí, a FIA compra a briga com a equipe mais poderosa do circo?

Aliás, a pergunta é: onde Mosley quer chegar com sua nova obssessão? Todos concordam que os custos precisam ser reduzidos, mas dar motores iguais a todo mundo é assinar o atestado de óbito da Fórmula-1, como o leitor pode relembrar aqui e aqui. Não faz sentido.

Tomar uma decisão dessas é como pedir para que as equipes abandonem o esporte numa debandada geral. Em sua tentativa de implantar o motor único, Mosley parece estar sozinho.

4 comentários:

Diego Maulana disse...

Blefe total do Mosley. Ele sabe que se por um acaso desagradar as montadoras a F1 acaba praticamente.

Felipão disse...

E vai tirar a graça da categoria, que é a descoberta de novas soluções através da tecnologia...

Que pateta esse Mosley

Fábio Andrade disse...

Diego: espero que seja blefe da parte da Ferrari também. Já pensou em F-1 se os carrinhos vermelhos?;

Felipão: é, a F-1 está perdendo esse ar de vaguarda no desenvolvimento dos carros "reais" aos poucos, o que é uma pena.

Voltem sempre!

sérgio disse...

A Ferrari jamais vai abandonar a F-1. Acho que a ameaça é só pra amedrontar o Molsey.