segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Toc Toc Toc! Há alguém aí?

Uma semana de ausência e algumas coisas passaram em branco. Agora, vamos àquela mania deste blogueiro que não consegue levar a vida sem dar uns pitacos nesse mundo da velocidade.

Os testes de Barcelona

O vestibular (ai!) da Honda parece ter premiado Bruno Senna. Na briga entre o primeiro-sobrinho e Lucas di Grassi, parece que o brasileiro de sobrenome famoso levou a melhor. Olhando a tabela de tempos, eles não ficaram muito distantes, mas por algum motivo, a preferência foi de Senna.

Na verdade, na verdade, a vaga já parecia destinada à Bruno desde antes dos testes. Porém, um rumor levantado pelo jornalista Bruno Vicaria embolou ainda mais a situação da vaga que resta na Honda: segundo Vicaria, uma fonte sigilosa cedeu a seguinte informação, em tom de notícia não confirmada: Rubens Barrichello estaria garantido na equipe em 2009 e encerraria a carreira normalmente. Os testes realizados na semana passada apenas teriam a intenção de fomentar a posição de Senna como piloto de testes em 2009, para que ele estreasse como titular em 2010.

No meio disso tudo o jovem Lucas di Grassi ficaria com uma outra vaga, a de bobo da corte.

A contusão de Webber

No sábado Mark Webber fraturou a perna numa corrida ciclística na Austrália, seu país natal. Ironia das ironias: Webber passa o ano em bólidos que atingem mais de 300 km/h e nunca havia quebrado um dedo. Quebrou uma perna por muito menos.

Webber passou por uma cirurgia e pela colocação de pinos em sua perna direita.

O caso, porém, é relativamente ameno. Webber ainda está hospitalizado mas deve receber alta nos próximos dias. O maior problema será o período de recuperação do piloto australiano: ele deve perder a maior parte dos testes justamente no período em que a maioria dos pilotos estará se adaptando aos novos carros da F-1 revitalizada que entrará em cena em 2009.

A equipe Red Bull, no entanto, espera que o piloto esteja em plena forma para a estréia da temporada 2009, dia 29 de março.

As medalhas e a aliança de Bernie

Numa daquelas idéias de girico que só poderiam sair de mentes muitíssimo evoluídas, a F-1 pode alterar radicalmente seu sistema de pontuação. Se hoje o vencedor ganha 10 pontos na tabela, a partir de 2009 ele pode passar a ganhar medalhas de ouro, como numa olimpíada. Nesse novo sistema, defendido com empolgação por Bernie Ecclestone, o campeão seria simplesmente o piloto que vencesse mais corridas. Regularidade seria um traço jogado na lata do lixo com uma impressionante desfaçatez.

Tudo bem que quem comanda o circo quer ver os pilotos voltando a arriscar. A vitória realmente precisa voltar a valer a pena. O atual sistema, bolado para conter o fenômeno Michael Schumacher é extremamente obsoleto. Em primeiro lugar porque não conseguiu segurar o alemão. Dos 4 campeonatos que disputou com o atual sistema de pontos, Schumi venceu 2. Ou seja, a eficiência do dispositivo é amplamente relativa. Em segundo lugar, Schumacher já vestiu seu pijama e pulou fora da F-1. Não há mais necessidade de tentar frear ninguém.

Para fazer a vitória voltar a ter algum sentido na F-1 basta tomar uma medida simples e sem as pirotecnias de titio Ecclestone: fazer o sistema de pontuação voltar a privilegiar a vitória. Para isso basta voltar ao sistema antigo (10-6-5-4-3-2-1) ou manter o atual, elevando a diferença de pontos conquistados pelo vencedor para a de pontos conquistados pelos segundo. Premiar o vitorioso com 12 pontos, por exemplo, é um bom caminho.

Ou então, o excelentíssimo senhor Bernie pode adotar o sistema de medalhas. Mas ao invés de usar medalhas, o cartola podia usar alianças. Já que o velho Ecclestone parece estar se divorciando de sua esposa, poderia doar sua aliança ao circo e estrear mais uma de suas medidas descabidas com chave (literalmente) de ouro.

4 comentários:

Marcos Antônio Filho disse...

Juro que não fiquei feliz com a contusão do Webber.Mentira,eu dei um sorrisinho sim,eu odeio o Webber!
e Sobre o negócio d emedalhas,o Mutley vai querer pilotar um F1

Pra mim,o sistem a de pontuação poderia ser 10,7,6,5,4,3,2,1. Valorizaria mais a vitória.

abraços!

Grid GP disse...

Esse é o Marcos Antônio... Sorrisinho... sei...

Já eu acho que o sistema de pontos deveria ser 12,8,6,5,4,3,2,1.

Sobre a semana de ausência, só espero que isso não se repita, hehe.

Abraços, colega!

Fábio Campos

Felipão disse...

Seja bem vindo novamente, Fabião

E esse negócio de medalha é muito estranho...

Certa vez, em um GP dos EUA, em Phoenix, entregaram medalhas ao invéz de troféus...

Fábio Andrade disse...

Marcão: acabei de ver o GP Séries e adprei a charge em que você elucida o crime. Quem atropelou o Webber, afinal, foi o Taz, rs!

O negócio das medalhas é uma piada;

Xará: estou contigo, acho que poderiam manter a atual quantidade de pilotos comtemplados, mas aumentar a distância do vencedor para o 2°.

Poxa, estou fazendo de tudo pra voltar ao volume normal de postagens, mas tá difícil!;

Felipão: lá vem você com seus dados exclusivos e confidenciais. Cabe até uma postagem sobre isso lá no BlogSport, hein?

Abraços a todos!