sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Isso Sim É Piloto!

Agora já com o problema de conexão com a internet resolvido, tenho algum tempo pra dedicar a um assunto que me deixou surpreendido desde o momento em que eu vi a 1ª manchete: o pouso do A320 da US Airways nas geladas águas do rio Hudson em Nova York.

Em primeiro lugar, um esclarecimento: não sou o que se pode chamar de apaixonado por aviões. “Apaixonado” é um termo um tanto quanto forte para quem não entende completamente o funcionamento de uma turbina e de outros apêndices das aeronaves. Dizer que sou um admirador dos aviões me parece mais apropriado.

Dito isso vamos àquilo que estremeceu o mundo inteiro: um avião modelo A320 da empresa americana US Airways realizou um pouso de emergência no rio Hudson, na cidade de Nova York. A aeronave realizava o vôo 1549 e acabara de decolar do aeroporto La Guardia com destino à Charlotte, na Carolina do Norte. Um possível choque contra pássaros teria causado danos às turbinas do avião e o piloto se viu na obrigação de retornar ao aeroporto. A manobra, porém, se revelou insustentável, o avião não ganhava altura de forma apropriada e o piloto tomou uma decisão perigosa e, ao mesmo tempo, corajosa: aterrissar uma aeronave de 70000 quilos no leito do rio Hudson. Era praticamente uma loteria.

Chesley Sullenberger era o homem encarregado de realizar com sucesso uma manobra extremamente arriscada e que colocava em risco, além da sua própria, a vida de mais 155 pessoas entre passageiros e tripulantes. Pousar aviões comerciais sobre corpos-d’água é uma operação que envolve uma generosa dose de sorte, além, claro, de competência. Praticamente inexistem registros de situações como a que foi enfrentada por Sullenberger. Levar um avião como o A320 sobre as águas em segurança foi uma tacada de mestre feita por esse americando com passagens pela Força Aérea dos Estados Unidos. Sullenberger conseguiu pousar o aparelho de forma magistral, provavelmente empinando o nariz e permitindo que a parte traseira do Airbus tocasse a água antes do restante do avião, evitando que a aeronave se desintegrasse e causasse danos muito mais sérios aos passageiros.

Sullenberger foi promovido a herói nos EUA. E não era para menos. O homem já de cabelos brancos aos 57 anos realizou uma manobra de perícia cirúrgica.

Resumo do ato heróico de Chesley Sullenberger: dos 155 ocupantes do vôo 1549, nenhum se feriu com gravidade. As ocorrências mais sérias se deveram à hipotermia sofrida por alguns passageiros, graças a água gelada do rio Hudson no inverno.

Um feito que já entrou para os registros da aviação como um dos mais espetaculares de todos os tempos!

8 comentários:

Ron Groo disse...

Se ele fosse mais novo, sugeriria a Frank Williams que o contratasse.
Ele é melhor que os dois que estão lá.

Loucos por F-1 disse...

Sensacional este acontecimento!!!
Com tantos pilotos ruins na F-1, acho que seria legal dar um carro para ele guiar... hahahaha

Abraços!

Leandro Montianele

pro_magicalonso disse...

La verdad que ha sido todo un heroe. Saludos

Felipão disse...

Também não resisiti,,, Tive que falar desse mágico, grande herói de 2009... Por pouco nem molhado o pessoal saia do avião...

Paulo Maeda™ disse...

Eu tb nao poderia deixar de falar, mas... como tow sem tempo fiz referencia a este otimo texto Fábio ;)

REalmente milagres acontecem, mais pela combinação sorte + competência do que pela lógica em si. Mas acontecem.

Marcos Antônio Filho disse...

Realmente esse piloto merece todas as homenagens. Salvar 155 vidas de uma tacada só não é pra qualquer um!

Fábio Andrade disse...

Groo/Leandro: sem a menor dúvida, esse cara devia ser contratado por alguma equipe, hehe;

Magicalonso: herói. Superherói, na verdade. Extremamente competente;

Felipão: uahuahuahau, boa essa;

Maeda: é milagre mesmo. Quando ouvi a história duvidei na hora. Ainda não acrdito totalmente, rs!;

Marcão: competentíssimo!

Nino disse...

a nova renault tem o bico maior q do avião