terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Até Podem Ser 20. E Daí?

Ross Brawn, o chefe da ex-Honda, foi categórico ao falar sobre o que restou da equipe nipônica. Ao jornal italiano La Gazzetta dello Sport, Brawn disse que há mais de um potencial comprador para a estrutura da equipe e que a prioridade é manter os empregos que o time proporcionava, mesmo que isso signifique o desligamento do próprio Brawn da possível equipe que se erguerá no lugar da Honda. O dirigente inglês falou que espera que a venda da equipe esteja consumada até o fim desse mês.

O inglês falou ainda sobre a movimentação prática visando a reestruturação da equipe para 2009. Segundo Ross, o alto comando da Ferrari apoiou a idéia de fornecer motores para o time que se apoderar da estrutura da Honda. Brawn, antigo fuincionário de Maranello e arquiteto da vitoriosa carreira de 5 títulos de Schumacher dentro da Ferrari, revelou ter conversado com os dirigentes da equipe italiana. “É como estar com velhos amigos” – disse Brawn. O ex-ferrarista fez apenas um porém quanto às expectativas de ressuscitar a Honda: o fornecimento de uma fonte de um novo fabricante implicaria numa reformulação das características do carro, algo que levaria pelo menos 6 semanas, tempo hábil que nenhuma equipe dispõe a essa altura dos preparativos para a a temporada 2009.

Portanto, há uma boa possibilidade de termos 20 carros no grid do GP Austrália, abertura do mundial desse ano em março. Mas e daí? De que adianta ter 20 carros no grid se a competitividade se restringir a apenas duas ou três equipes. Qual a finalidade de ver o grid garantido com os 20 carros que encerraram o mundial do ano passado, se a equipe que surgir dos restos mortais da Honda não tiver a mínima condição de competir? Todos nós, amantes da velocidade, sentimos o desaparecimento da Honda, mas que diferença fazia ter ou não ter a equipe alinhando a cada gp?

Meu amigo Ron Groo costuma dizer que ninguém liga por Jenson Button. É mais do que isso, Groo. Ninguém liga mesmo é pra Honda!

7 comentários:

SAVIOMACHADO disse...

É verdade Fábio. Ninguém liga mesmo é pra Honda.
Mas o que Ross falou não tem nada de novo. Até porque a fórmula 1 moderna beneficia apenas 2 ou 3 equipes.
Até acredito que isso possa mudar em breve, mas vai ter que mudar muita gente da direção. A Ferrari é a equipe que mais se beneficia.
E o pior é que tem gente que acha que a Ferrari é apenas mais uma equipe.
Seu blog é muito bom.
Meus parabéns.
Um grande abraço.
SAVIOMACHADO

Felipão disse...

Isso mesmo, Fabio. E o Ross insiste dizendo que as coisas estão adiantadas por lá. Duvido que isso seja verdade, jpa que estavam sem dinheiro. Isso vai atrasar todo o desenvolvimento pra 2009...

Coitados dos funcionários... Pelo jeito, vão perder o trampo...

Marcos Antônio Filho disse...

A Ex-Honda se voltar sse só vai fazer figuração.Em 2010 quem sabe eles voltam com os Cosworth...

Ron Groo disse...

Eu agora acredito em gnomos, mas na honda nem ferrando.
E Cê tem razão, ninguém liga pra Honda mesmo.... hehehehe
Valeu a citação.

Felipe Maciel disse...

Fábio, não sei se você leu a notícia no site Tazio, mas acho que eles se enganaram ao dizer que Brawn falou em "seis meses" na questão dos motores. Em todos os outros sites está registrado como "seis semanas". Até porque, imagina se fossem seis meses, todas as equipes acabariam ficando sem motor... ;)

Mis seis semanas ainda é um tempo longo, sem dúvida.

Vou aproveitar pra dizer que seu comentário no post lá das novas categorias foi citado por mim na ROB.
vlw Fábio

Abs

Fábio Andrade disse...

OOOOps!

Valeu, Maciel, já tá corrigido!

Fábio Andrade disse...

Sávio: pois é, cara, tem sido assim há tempos né? Sempre duas equipes polarizando a briga e o resto servindo apenas de figuração. Que mude em breve;

Felipão: também duvido muito de que haja mesmo muita gente querendo a Honda. Pra mim é blefe;

Marcão: isso que me revolta. Os caras tão quebrados e não tem nem motor pra empurrar os carros, ou seja, não têm a mínima chance. Por que não deixar pra correr só em 2010?;

Groo: tá osso de acreditar mesmo, cara;