sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Remake Previsível

Enfim, a crise econômica começa a fazer seus estragos no automobilismo. Ao mesmo tempo, a ALMS e a F-1 sofrem perdas importantes: na ALMS, a Audi foi embora. Na F-1, a Honda se mandou. Justificativa de ambas: conter custos.

Os efeitos ainda são imprevisíveis. Não se sabe se a queda da Honda na F-1 é um fato isolado ou o início de uma quebradeira generalizada. O certo é que a F-1 terá míseros 18 carros alinhando no próximo dia 29 de março. Um número risível, diga-se de passagem.

A saída da Honda também complica a vida de Jenson Button, Rubens Barrichello, Bruno Senna e Lucas di Grassi, todos aspirando a uma vaga na equipe.

E tudo isso me obriga a fazer um remake de um post lá de agosto, época em que este escriba chamava a atenção para o possível colapso que uma debandada de montadoras causaria na F-1.

"Montadoras não têm muita preocupação com o esporte. Montadoras têm preocupação com lucro, produtividade, coisas do mundo corporativo. No momento em que perceberem que a F-1 não é tão rentável, pularão fora."

É algo matemático, cartesiano, exato. Tão certo como 2 + 2 = 4.

*Peço desculpas pelo texto sucinto, ainda estou usando computadores de terceiros! Fiz esse post em caráter emergencial.

5 comentários:

Felipão disse...

Até agora, estão cnfirmados na DTM (Audi) e na Indy (Honda, como fornecedora)...

Que final trágico para o automobilismo...

Parece que tudo morrerá...

Ron Groo disse...

Ainda acho que a Honda saiu fora da F1 pelos maus resultados, mais que pela crise ecônomica, que existe e é forte.
Mas se os resultados dos nicômicos fossem outros e seus pilotos não fossem uns zé ninguém que não aconteceram ou aspirantes sem nome eles não sairiam.
Talvez se Alonso tivesse aceitado...

Marcos Antônio Filho disse...

As monstadoras relamente não ligam pra corridas pois seus presidente não devem saber nem dirigir,devme andar com motorista de cima a baixo...

Pezzolo disse...

força q tudo vai se resolver!

Fábio Andrade disse...

Felipão: a situação não tá bonita mesmo. Fico em suspense nesse momento. Temo que Renault e Toyota também abandonem o barco;

Groo: é, estive lendo o Blog do Gomes esses dias e concordo. Se houvesse paixão talvez a história fosse outra. Vejam aí a Williams, que coleciona maus resultados e prejuízos, mas continua;

Marcão: não é difícil imaginar a situação;

Pezzolo: é essa a torcida!!